ENCONTRO ESTADUAL DA OMEP/BR/MS DISCUTE POLÍTICAS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL NOS VARIADOS ESPAÇOS DE DESEVOLVIMENTO

Interação, preconceito, direitos das crianças, desconstrução e aprender a ser. Esses foram alguns dos assuntos tratados durante a abertura do 28º Encontro Estadual sobre Educação Infantil realizado pela da OMEP/BR/MS em Campo Grande/MS. O evento, que aconteceu nos dias 15, 16 e 17 de junho, funcionou como um espaço para a apresentação de ideias, discussão de opiniões e troca de experiências de professores da Educação Infantil e acadêmicos da área.

Na abertura, a vice-presidente da instituição, professora Adelma Galeano, comentou que há mais de quatro décadas a organização levanta discussões sobre temas pertinentes ao movimento em prol da educação relacionados aos direitos das crianças. “Antes mesmo de começar a falar sobre a qualidade do ensino no Brasil, já levantávamos a bandeira no mundo, em mais de 70 países”, relembrou.

Ainda no início do evento, a vice-presidente destacou que, apesar de seguir um padrão de qualidade mundial, o diferencial da organização em Mato Grosso do Sul está no conteúdo oferecido pela entidade. “Este ano, estamos ofertando cursos de graduação a distância, também temos nossa creche, que está completando 20 anos, atende 180 crianças”, destacou Adelma.

Em seguida, a animação ficou por conta do Grupo Tripé – Comédia a Três, que reuniu jovens artistas e humoristas com um estilo diferente, em uma apresentação autoral intitulada “De onde viemos?”, denominada pelos próprios integrantes como técnica de “plágio-combinação”.

APRENDER A SER

Com o tema “Espaços e saberes de crianças e professores”, a palestrante e professora Dra. Emília Cipriano, membro do Grupo Gestor do Fórum Paulista de Educação Infantil, trouxe uma reflexão sobre a forma de trabalho e a qualidade do que é ensinado pelos formadores. “Não é digno de ser chamado educador quem apresenta qualquer tipo de preconceito com raça, religião, culturas variadas ou classe social, ensinamos aquilo que somos e por isso nós marcamos vidas para sempre. Professor da infância é um fundador de mundos”, ressaltou.

“Interação e troca” foi outro tema abordado pela palestrante, que pontuou a importância de o profissional enxergar o mundo com os próprios olhos e também com a perspectiva que o outro traz. “A palavra trocar nem sempre é concebida de um jeito efetivo, e a interação entre as crianças tem que ser construída assim, é a troca na lógica do construir”, exemplificou.

No final da manhã, outra apresentação artística. O mágico Thiper encantou a todos, aflorando sentimentos como alegria e emoção por meio dos truques de ilusionismo e interação com o público.

DEBATE

Para terminar o período matutino, durante um debate as professoras Adelma Galeano e Emília Cipriano responderam a questionamentos dos participantes. Um dos principais temas abordados foi a qualificação profissional. “Quem quer trabalhar com criança tem que estudar a vida inteira, um educador tem de ter compromisso com a sua formação profissional e com a do aluno”, declarou a doutora Emília Cipriano.

Para a educadora, não existe qualidade em educação sem qualificação de seus professores e aprendizagem contínua. “Em qualquer país, em qualquer instituição séria, o princípio é ter um profissional qualificado de forma seguida. É uma condição. A sociedade está em evolução e nós precisamos desse movimento”, finalizou.

Assista: http://www.omepms.org.br/encontro/